O perfil do advogado deve ser consonante com o contexto político, histórico e econômico em que ele está inserido porque a área jurídica acompanha o desenvolvimento da sociedade — afinal, você trabalha para atender os interesses estatais ou dos particulares.

Ainda, a advocacia é ramo profissional que precisa adequar traços clássicos do Direito, curso tradicional, com as inovações de um mercado em constante reformulação por causa do avanço tecnológico. Estamos falando de novidades como a internet da coisas (IoT), as legaltechs e mudanças profundas tanto nas relações de trabalho quanto nas de consumo.

Diante de tal cenário, como se preparar para a carreira? Quais itens devem ser priorizados pelo advogado? A conquista de espaço e diferencial competitivo neste segmento é gradual e pode ser bem conduzida se você colocar em prática as dicas elencadas na sequência. Confira!

Perfil do advogado: o advento da era digital

Profissionais dinâmicos, antenados com as notícias na mídia e atualizações legislativas, doutrinárias e jurisprudenciais, dispostos a acompanharem as inovações tecnológicas e a se reciclarem para a otimização dos serviços que prestam: este é o perfil do advogado no atual contexto do mundo globalizado.

As áreas tradicionais, como Direito Constitucional, Administrativo, Civil e Penal ainda são o alicerce para o bom funcionamento da vida em sociedade, mas novos ramos têm ganhado espaço no mercado, como o Direito Tributário — aliado dos empresários para enxugar gastos com impostos dentro da legalidade por meio do planejamento tributário.

Mais recentemente, direitos da Constituição e crimes passaram a ser debatidos em uma nova esfera com o vazamento de dados pessoais de internautas na rede, incentivando a promulgação da Lei Carolina Dieckmann e do Marco Civil da Internet. Falando no assunto, a mencionada internet of things (IoT) é tendência para o futuro e já está abrindo nicho para a atuação no Direito público, privado e até internacional.

Ainda, podemos falar das legaltechs, startups jurídicas que estão promovendo a otimização em serviços advocatícios, como na busca por jurisprudência para as petições. Você está preparado para tamanha revolução? Qual é o perfil do advogado para se destacar neste contexto?

Perfil do advogado: empreendedorismo

Além do conhecimento jurídico, proporcionado na pós-graduação, por exemplo, o profissional hoje também precisa entender de gestão. É imprescindível manter as contas em dia, administrar prazos, recursos financeiros, acompanhar processos e, dependendo do porte de seu empreendimento, orientar a equipe, responsável por carregar seu nome e o de seu negócio no mercado.

Segundo dados da OAB divulgados em 2018, 30% dos mais de 11 mil escritórios abertos em São Paulo na última década fecharam as portas. Embora a competitividade seja alta em razão do grande número de advogados na ativa — mais de 1,1 milhão — a captação de clientes não é obstáculo a quem sabe empreender.

Cursos e ferramentas gerenciais, como a matriz SWOT, para você checar suas forças, fraquezas, ameaças e oportunidades são de grande ajuda para quem exerce a advocacia por conta própria ou não. Independentemente do seu tamanho, invista em planejamento para suas estratégias serem condizentes com as suas ambições profissionais.

Perfil do advogado: marketing jurídico

Empreender também depende da sua boa reputação no mercado e da forma como você se apresenta, seja em eventos do Direito, pessoalmente ou no mundo virtual. Lembre-se: você é graduado em um curso tradicional e atua em uma área milenar, cheia de costumes, convenções comportamentais, procedimentais e ditames quanto ao vestuário apropriado para exercício da profissão.

Quem opta pela advocacia precisa agir de acordo com o Código de Ética e Disciplina no órgão, responsável por legislar sobre vários assuntos, como a publicidade em meios eletrônicos, honorários e sigilo entre o cliente e seu procurador. Você não pode oferecer serviços jurídicos como quem divulga uma loja de assistência técnica porque o objetivo dos órgãos de sua classe não é fomentar conflitos na sociedade.

Os limites estabelecidos pelo Conselho Nacional de Justiça e a OAB admitem, por exemplo, links patrocinados no Facebook promovendo o escritório, mas vedam o envio indiscriminado de e-mails publicitários com esta finalidade. Sites, blogs e páginas nas redes sociais são admissíveis, assim como o marketing de conteúdo, mas precisam ser bem conduzidas para não escaparem da legalidade.

Perfil do advogado: transparência com o cliente

Evite contratos longos, cheios de cláusulas ambíguas, linguagem difícil e disposições em letras miúdas na hora de fechar negócio com o representado porque eles não inspiram confiança e você pode até mesmo ser responder por má-fé.

Além da necessidade de ser claro quanto aos honorários contratuais, estipulando uma porcentagem fixa com base no valor da causa, explique ao cliente sobre os honorários de sucumbência, fixados pelo magistrado na sentença. Mostre-se acessível, solícito e comprometido com a causa, dê feedback sobre o andamento do processo e deixe claras as suas ações.

Como as demandas envolvem prestações pecuniárias, cabendo ao advogado a apresentação de cálculos e levantamento de valores com o alvará judicial, preste contas ao representado, inclusive quanto às custas e outras despesas processuais.

A reputação ilibada é um dos requisitos para a nomeação ao cargo público de maior hierarquia no Poder Judiciário, o de ministro do STF. No entanto, este é um pressuposto básico a quem deseja ser um bom jurista, dá a você renome, credibilidade e amplia as chances de conseguir clientes com as indicações.

Perfil do advogado: estudo e atualização

Uma das formas mais efetivas de otimizar a prestação de seus serviços é investindo em conhecimento técnico não apenas sobre sua área de atuação mas também a respeito de matérias jurídicas correlatas, como o Direito Civil e Processual Civil para a advocacia trabalhista.

Estamos falando de uma ciência diariamente atualizada, cujas fontes variam entre os princípios, a lei escrita, os costumes, a jurisprudência e a doutrina, denotando a abrangência do know-how requerido do jurista. Cursos livres e de pós-graduação enfocam em tópicos específicos, o que permite o aprofundamento nos temas, cria expertise e alia a teoria às práticas cotidianas.

Além de estar por dentro dos principais assuntos jurídicos, a par dos jargões e percepções técnicas sobre eles, é dever de quem está na advocacia se inteirar sobre notícias do dia a dia. Temas como redução da maioridade penal, reforma previdenciária e crise política internacional têm destaque na mídia e, por vezes, evidenciam situações análogas em que um cliente em potencial sequer sabia ter direito à tutela jurisdicional.

O perfil do advogado precisa ser adequado às necessidades do mercado, que não está estagnado, mas sim em expansão e à procura de profissionais eficientes. Ele será conquistado por quem souber empreender, se promover, agir com transparência, comprometimento com o cliente e ficar sempre atualizado, dando continuidade aos estudos, inclusive.

Falando em estar antenado, assine nossa newsletter para saber mais sobre advocacia e Direito!