Seja ao longo da graduação, seja em uma especialização posterior ou nos estudos para concursos públicos, escolher o vade mecum é, sem dúvida, um ponto primordial para qualquer perfil de estudante da área do Direito.

Como se sabe, o vade mecum é uma espécie de compilado da legislação nacional, o qual reúne os principais códigos, leis e normas do direito brasileiro. Na prática, o vade mecum é uma ferramenta de estudo muito útil e presente na realidade não só de quem estuda o Direito, mas também de quem o exerce.

Diante da sua importância e sabendo que existem diferentes tipos de vade mecum no mercado, saber como escolher essa poderosa ferramenta de estudos é essencial. Pensando nisso, preparamos este artigo listando 8 critérios que você pode levar em conta na hora de escolher um vade mecum. Continue a leitura e confira!

1. Atualização do material

O primeiro e mais importante critério a ser levando em conta na hora de comprar um vade mecum é a sua atualização. Como a função primordial dessa ferramenta é fornecer acesso às principais leis e normas vigentes no país, é imprescindível que o vade utilizado esteja devidamente atualizado.

Caso contrário, você corre o risco de estudar com um material antigo, em que as leis e normas já foram modificadas em determinados pontos, o que não é nem um pouco recomendado para quem precisa ter domínio da legislação atual.

2. Custo-benefício

Quando se pensa em materiais de estudos para a área do Direito, o mercado é bastante amplo, oferecendo inúmeras opções de livros, cursos e outras ferramentas. No caso do vade mecum, não é diferente. Existem diferentes opções no mercado, cada uma com as suas características, abordagem específica e, claro, com o seu custo — o qual pode varia bastante, vale mencionar.

Nesse sentido, outra dica para escolher o vade mecum ideal é analisar o custo-benefício do produto. Em geral, pode ser que um vade mais caro seja mais completo, contendo ainda mais leis e normas importantes, o que é um ponto positivo — a depender sempre da necessidade de quem compra.

O ideal é que você tenha em mente quais são as leis e normas mais importantes para os seus estudos e, com base nisso, procure um vade mecum que atenda à sua necessidade e tenha um bom custo.

3. Projeto gráfico do vade mecum

Embora muitos estudantes e profissionais do Direito não atentem a esse ponto, a parte gráfica do vade mecum é um elemento bastante importante na hora da escolha. Nesse quesito, é preciso levar em consideração alguns aspectos visuais do produto, como:

  • tamanho da fonte utilizada na impressão;
  • padronização do texto;
  • utilização de diferentes cores para facilitar as consultas;
  • espessura das folhas;
  • organização e disposição do texto na folha.

Todos esses elementos são essenciais durante o uso do vade mecum, pois facilitam a busca das informações e o manuseio dessa ferramenta.

4. Editora responsável

Como mencionado, o mercado atualmente oferece inúmeras opções de vade mecum, das mais diferentes editoras. No geral, esse é um ponto positivo, pois dá ainda mais poder de escolha ao usuário e permite que ele encontre o livro que melhor atenda às suas necessidades.

Porém, é importante atentar à qualidade do material adquirido, tanto em termos físicos quanto de conteúdo. Por isso, a recomendação é sempre optar por boas editoras, as quais oferecem um produto de qualidade, bem estruturado e com algumas garantias, como a de atualização digital do material ao longo do ano.

5. Organização do índice

A finalidade básica de um vade mecum é ser uma ferramenta de consulta da legislação. Ou seja, é um material de acesso rápido ao conteúdo desejado. Levando isso em conta, é essencial que você atente também à organização do índice do livro na hora de escolher o seu.

Esse índice é um elemento facilitador do manuseio do vade mecum, otimizando bastante a busca das normas. Além disso, muitas editoras inserem outros índices dentro do vade mecum, como índices por assunto e índices remissivos — que fazem relação entre um conteúdo e outro dentro do livro, o que é muito útil para quem pretende estudar para a prova da OAB, por exemplo.

6. Tamanho e peso do livro

Principalmente para quem pretende transportar o seu vade mecum de um local para outro, o tamanho e peso do livro se tornam características extremamente importantes. No geral, em versões mais completas, o vade mecum costuma ser um livro bastante pesado, dada a sua grande quantidade de páginas.

Sabendo que esse é um ponto negativo, as editoras procuram maneiras de tornar o vade mecum menor e mais leve, seja reduzindo a espessura das folhas, seja diminuindo o tamanho da fonte ou o próprio conteúdo inserido no exemplar.

Diante dessa realidade, outra dica importante é verificar o peso e tamanho do livro. Escolha aquele que tenha todo o conteúdo necessário para os seus estudos e, caso considere um ponto importante, procure versões mais compactas, que podem ser mais facilmente transportadas em uma bolsa ou mochila.

7. Consulta a conteúdos online

Com a difusão da internet e do ensino digital, muitas editoras já estão apostando em recursos adicionais em seus exemplares de vade mecum. Hoje, por exemplo, é possível não só adquirir o vade em versão digital, como também ter acesso a atualizações do material ao longo do ano a partir de links e QR Codes impressos no livro.

Sem dúvida, a consulta de conteúdos online é um diferencial que vale muito a pena considerar na hora de escolher o vade mecum. Sobretudo na questão das atualizações ao longo do ano, esses recursos extras podem fazer com que você economize dinheiro, não tendo que trocar seu vade em razão de pequenas alterações legislativas — o que é muito comum.

8. Data de fechamento da edição

Por último, na hora de escolher o vade mecum não se pode deixar de levar em conta a data de fechamento da edição. Isso porque, como se sabe, no Brasil a legislação é extremamente dinâmica, sendo alterada quase diariamente.

Diante dessa realidade, um vade mecum pode se tornar desatualizado em questão de dias ou semanas. Por essa razão, é fundamental que você observe a data de fechamento da edição do livro, tendo a certeza de que mudanças recentes já estejam devidamente atualizadas e inseridas no produto que está adquirindo.

Por fim, como vimos, escolher o vade mecum não é uma tarefa complexa, mas é bastante minuciosa. A melhor escolha depende da avaliação de uma série de critérios. Mas agora que você já sabe o que analisar, certamente não terá problemas para escolher o seu vade e focar ainda mais nos estudos, seja para o exame da OAB ou para concursos públicos, seja para uma especialização ou o exercício da profissão.

Gostou deste conteúdo? Siga lendo e aprendendo mais com os nossos materiais. Aproveite e confira as 6 principais medidas do código de ética e disciplina da OAB!

Tenha as mesmas condições