A tecnologia tem sido inserida cada vez mais no dia a dia das pessoas. Atualmente, uma parte bem grande da população do mundo todo já usa as redes sociais e outros canais de algum modo. Assim, desenvolvem um patrimônio sem fim, seja de música, filmes, fotos, áudios etc. E aí aparece uma grande novidade no Direito: a herança digital.

Esse é um tema de grande relevância no Direito de Família e das Sucessões. Acontece que, com todo esse avanço tecnológico, surgiu esse novo tipo de herança, que está ficando a cada dia mais comum na vida dos brasileiros depois do falecimento de indivíduos.

A fim de atender essa demanda tão crescente no mercado, é imprescindível que os advogados busquem mais conhecimento sobre o tema. Por isso, decidimos ajudar com este texto que traz informações relevantes sobre herança digital. Confira!

O que é herança digital?

De forma resumida, trata-se de um acervo de direitos e bens publicados, guardados ou usados em plataformas digitais, servidores ou em nuvem (ou cloud computing, em inglês). Eles são acessados geralmente de forma virtual, o que inclui imagens, senhas de acesso, blogs, textos e demais mídias e conjuntos de informações e dados armazenados ou publicados nos canais de comunicação.

Vale ressaltar que esse tipo de patrimônio inclui bens que não têm valor financeiro. Ou seja, é composto apenas de itens com valor subjetivo ou simbólico, como contas de e-mails, produções criativas, publicações ou páginas nas redes sociais etc. Mas é preciso ficar claro que também há a possibilidade de haver meios ou contas com alguma relevância monetária, tais como:

  • serviços vitalícios;
  • assinaturas;
  • moedas digitais (as famosas criptomoedas);
  • perfis empresariais em redes sociais que geram um retorno financeiro;
  • contas com potencial valor financeiro;
  • crédito para usar serviços ou adquirir produtos em alguma plataforma on-line, entre outros.

O que a legislação aborda sobre isso?

Embora recentemente tenham sido publicadas diferentes normas a respeito do direito à herança digital, ainda não há uma legislação própria que a regulamente. Diante disso, regras gerais são aplicadas nesse caso, ou seja, aquelas que já estão previstas no Código Civil, assim como a Lei nº 12.865/14 e a Lei dos Direitos Autorais.

Segundo o que estipula o artigo 1.857 do Código Civil, o proprietário dos bens digitais só precisa expor seu desejo a partir de um testamento, especificando de que forma os direitos devem ser tratados.

Vale lembrar de que é fundamental que os profissionais do Direito acompanhem o andamento do PL n.º 8.562/17 e do PL n.º 7.742/17, pois têm o objetivo de incluir a herança digital na legislação. Também é importante fazer uma análise dos estudos dos doutrinadores a respeito do Direito Sucessório que abordam o assunto.

Como agir corretamente em um caso de herança digital?

Quando não existe um testamento normal ou digital, a ausência de legislações sobre o assunto gera vários debates. Dessa forma, há aquela corrente que defende que o patrimônio digital é privacidade da pessoa que faleceu e que, por isso, não deve ser herdado; por outro lado, há a que diz que o patrimônio digital tem que ser herdado. Considerando essas divergências de opiniões, a melhor forma de agir corretamente em caso de herança digital é:

Tenha as mesmas condições
  • elaborando um testamento: isso porque o art. 1.857 do Código Civil não estipula que o testamento tem que ser restrito a bens tangíveis. Logo, é totalmente possível que um cidadão mostre seu desejo quanto à herança digital, mesmo que ela não seja reconhecida ainda no ordenamento jurídico;
  • fazendo um planejamento sucessório: trata-se de um conjunto de estratégias para especificar como serão gerenciados os bens da pessoa. Apesar de o testamento ser um método de planejamento sucessório, é importante lembrar de que o termo não é limitado a testamentos, já que inclui também outras estratégias, como doações em vida, previdência privada, entre outras.

Vale frisar quem são os herdeiros de todo esse legado presente na internet. Quando a pessoa não deixar testamento, passa a ser legítima a sucessão. Dessa forma, os parentes sucessíveis vão ser convocados para receber a herança digital. Há uma ordem a ser seguida para isso:

  • 1º: os descendentes, ou seja, filhos, netos, bisnetos etc.;
  • 2º: os ascendentes, portanto, pai, mãe, avô, avó, bisavós;
  • 3º: o cônjuge, que vai concorrer com os outros na mesma ordem;
  • 4º: os colaterais, ou seja, os parentes até o quarto grau.

Lembrando que vai ser transmitido aos sucessores apenas aquilo que tiver conteúdo econômico, nunca informações pessoais.

Para garantir que não haverá problema com a justiça, o mais indicado é que titulares das contas digitais façam o registro da sua manifestação de desejo ainda em vida, tendo um registro de testamento e um bom planejamento sucessório.

Quais são os cuidados e as boas práticas em um processo de herança digital?

Mesmo sem existir uma legislação específica para esse tema, é fundamental que o profissional oriente o cliente a tomar certas decisões a fim de evitar problemas quando precisar transmitir direitos e bens digitais aos herdeiros.

Além dos dois pontos mencionados no tópico anterior, é importante ter em mente que algumas plataformas permitem fazer um testamente digital informal. A Google, por exemplo, permite que a pessoa decida o destino de dados e informações pessoais quando parar de ter acesso à conta por um tempo específico. Isso é feito pelo gerenciador de contas inativas, no qual o usuário determina aquilo que pode ser compartilhando, nomeando terceiros para usar a conta em seu nome.

O ideal é estar por dentro de todos os termos de uso dos produtos e também da permissão de transferir para herdeiros. Todas essas estratégias devem ser bem investigadas para buscar maneiras mais seguras de trabalhar com a sucessão dos bens digitais.

Como dissemos durante o texto, o avanço tecnológico faz com que as pessoas criem um grande acervo de bens digitais durante sua vida. Esse é um cenário que gera desafios quando o assunto é direito sucessório.

Portanto, quando se trata de herança digital, é fundamental que o profissional do Direito sempre busque conhecimentos em cursos para se manter preparado e lidar bem com esse tipo de demanda. Então, de forma resumida, o profissional tem que entender o desejo dos clientes sobre seu patrimônio digital, tomando as devidas providências para que seus direitos e seus bens sejam transferidos de maneira correta.

Gostou de saber mais sobre a herança digital? Aproveite para assinar a nossa newsletter, pois assim você recebe as novidades na sua caixa de entrada e continua aprendendo com os nossos conteúdos!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.
Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.