Diogo Rais Rodrigues Moreira

Doutor em Direito Constitucional pela PUC-SP pelo projeto “CNJ Acadêmico” da CAPES em parceria com o Conselho Nacional de Justiça e em convênio com a Universidade Presbiteriana Mackenzie, Mestre em Direito Constitucional pela PUC-SP, com cursos de extensão em Justiça Constitucional pela Université Paul Cézanne (Aix-en-Provence, França). Colunista sobre a área eleitoral no Valor Econômico durante as eleições de 2016. Coordenador do Observatório da Lei Eleitoral ambos da FGV-Direito SP vinculado à Coordenadoria de Pesquisa Aplicada para as eleições de 2016. Professor de Direito Eleitoral e de empreendedorismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Professor do curso Direito Eleitoral e Empresas da FGV-DireitoSP. É membro fundador da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político ? ABRADEP. Coordenador e autor do livro Direito Eleitoral Digital (Revista dos Tribunais); Direito Eleitoral (Saraiva) e A Sociedade e o Supremo Tribunal Federal – o caso das audiências públicas (Fórum).

Habilidades

Postado em

19 de junho de 2018

1 Comentário

  1. Olá Diogo, estava assistindo a CPI de Fakenews e espero que uma ideia que tive sobre esse assunto possa ajudar a resolver o problema… Acho que o problema esta na falha do direito de resposta não ser tão rápido quanto a divulgação da fakenews. Os responsáveis pelas redes sociais deveriam ser obrigados por lei a enviar automaticamente aos usuários que receberam alguma mensagem definida como fake o aviso que a mensagem em questão tenha passado por alguma agencia de checagem e que essa ou essas agencias indicam os motivos pelo qual a mensagem em questão é fake , e os personagens atingidos poderiam se manifestar sobre o ocorrido se for o caso. Não sei se fui claro na mecânica e dou um ex: é exibido no facebook um filme de uma invasão de ETs em varginha, e depois se comprova que era uma festa a fantasia que ocorreu na cidade. mas o vídeo viralizou também no whats etc, uma vez que as agencias de checagem comprovaram que parte do vídeo era fake, tanto o facebook quanto o whats e outras redes seriam obrigados a enviar uma mensagem a todos que receberam o vídeo fake onde a noticia seria desmentida, Deixar a população dicernir e filtrar os fakenews

    Responder

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *