Você sabe o que é e como funciona a tutela jurisdicional? Conhecer sobre o tema é importante para os profissionais da área jurídica saberem como atuar no dia a dia profissional.

Como a tutela jurisdicional conta com diferentes tipos, até mesmo os advogados costumam ter dúvidas sobre o tema — motivo pelo qual é ainda mais relevante estudar e conhecer sobre o assunto.

Se você tem interesse e deseja descobrir como funciona, de fato, a tutela jurisdicional, continue a leitura para ter acesso a todos os detalhes. Não perca!

O que é a tutela jurisdicional?

A função jurisdicional do Estado surgiu para regular as relações entre os indivíduos a fim de tutelar direitos que as partes não conseguem mais individualmente defender ou autotutelar. No Brasil, o tema está previsto no artigo 5, XXXV da Constituição Federal, sendo concedida ao Poder Judiciário.

Assim, a jurisdição pode ser vista como a função exercida pelo Estado para compor processualmente conflitos litigiosos para conceder ao detentor de um direito objetivo aquilo que é seu.

De maneira geral, é possível dizer que a tutela jurisdicional é conferida ao autor ou ao réu, uma vez que ela não diz respeito a direitos, mas sim a pessoas, sendo possível dá-la a um dos litigantes, especialmente a fim de negar que existam direitos e obrigações entre ele e o adversário.

Com isso, é possível observar que não é sempre que a finalidade de um processo é essencialmente beneficiar o autor, mas sim pacificar os litigantes e, especialmente, conceder a tutela à parte que tiver razão.

Por que é importante conhecê-la?

É importante que os advogados, assim como os outros profissionais da área jurídica, conheçam sobre a tutela jurisdicional, uma vez que se trata de um direito subjetivo de todos os cidadãos. A falta da técnica processual adequada para um caso concreto de conflito representa, inclusive, uma omissão que atenta contra o direito fundamental à efetividade da tutela jurisdicional.

Não se trata de apenas viabilizar o “acesso à justiça”, mas sim a obrigação estatal de realizar a prestação jurisdicional para proteger a si mesmo, as partes e a sociedade em si.

Assim, trata-se de um direito subjetivo público e fundamental, pois consiste no direito de ingressar em juízo por meio do procedimento previsto em lei e da aplicação da legislação a um caso concreto para resguardar a realização do direito material lesionado ou ameaçado.

Como funciona a tutela jurisdicional?

A tutela jurisdicional, na prática, funciona como uma tutela efetiva de direitos ou de situações pelo processo, sendo que o direito processual coloca em evidência o resultado do processo como fator de garantia de direito material.

É possível dizer, de maneira resumida, que a tutela jurisdicional funciona como o amparo do Estado para pacificar, dirimir e, consequentemente, solucionar conflitos por meio da aplicação da legislação a casos concretos para obter um resultado prático do processo.

O seu objetivo não é apenas declarar ou reconhecer direitos, mas sim se aproximar o máximo possível de uma decisão “justa” e que torne a lide concluída ou ofereça condições para sua concretização.

Tenha as mesmas condições

Quais são os tipos de tutela existentes?

Agora que você já sabe o que é a tutela jurisdicional, veja a seguir quais são os tipos existentes para que seja possível, de fato, compreender sobre o assunto.

Tutela preventiva

A tutela repressiva é aquela que depois que o dano é concretizado tem como objetivo reparar da maneira mais completa possível a lesão ocorrida. Contudo, a Constituição Federal prevê, sem prejuízo da tutela repressiva, a proteção à ameaça ao direito.

Nesse caso, também deve haver pronta e adequada intervenção jurisdicional a fim de resguardar, antes mesmo que a lesão seja consumada, um direito do indivíduo, sendo essa a função da tutela preventiva.

Ela é importante porque determinados direitos, como de personalidade, não são passíveis de “indenizações” após a ocorrência da lesão em razão da sua própria natureza jurídica. Nesses casos, a tutela preventiva se mostra ainda mais importante para que não seja gerada uma injustiça social.

Assim, o objetivo da tutela preventiva prescinde ao dano, já que ela visa prevenir que o ilícito ocorra, independentemente da existência de dano, para que as ameaças a direito nem sequer sejam convertidas em danos ou lesão.

Tutela de urgência

A tutela de urgência, por sua vez, considera a urgência da pretensão e probabilidade do direito e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do processo. Ela é dividida em duas espécies: a tutela antecipada e a tutela cautelar que tem como objetivo prevenir que ameaças se transformem em danos. Os dois casos exigem a atuação imediata do estado em razão da situação de urgência em que se encontra.

Tutela repressiva

Já a tutela repressiva tem como objetivo proteger uma situação de dano ou lesão que já foi concretizada. Nesse caso, o Poder Judiciário deve aplicar uma sanção correspondente à lesão ocorrida.

A tutela repressiva deve ser tempestiva e ter o viés de efetividade. Por essa razão, hoje em dia é preciso que a reparação da lesão concreta ocorra de maneira específica ou genérica.

Como uma boa pós-graduação digital pode ajudar com esse conceito?

Como foi visto, a tutela jurisdicional é um assunto complexo e que conta com suas especificidades, já que existem diferentes tipos. Além disso, trata-se de um assunto que é imprescindível para uma boa atuação profissional.

Saber como usar a tutela jurisdicional a favor de seu cliente é capaz, por exemplo, de evitar lesões e situações que são irreversíveis após o dano. Por essa razão, para se aprofundar no assunto, é importante que os advogados conheçam a importância de uma pós-graduação na área.

Realizar uma boa especialização, como a Pós-graduação digital em Advocacia Cível da EBRADI, é capaz de fazer com que os profissionais entendam sobre o conceito e a prática da tutela jurisdicional de maneira aprofundada, fazendo que eles se destaquem no mercado.

Agora que você já conhece os principais pontos sobre a tutela jurisdicional, lembre-se de que é importante aprofundar os estudos na área por meio de uma especialização para que seja possível, de fato, compreender sobre o tema e atender plenamente as necessidades de seus clientes.

Se você se interessou pelos estudos na área, conheça agora mesmo a Pós-graduação digital em Advocacia Cível da EBRADI!

newsletter

Novidades de EBRADI por e-mail

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.
Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

Entre em contato com a equipe EBRADI

Preencha o formulário e fale com um consultor de vendas

Condições especiais para a sua matrícula

Nós usaremos seus dados para entrar em contato com você sobre as informações solicitadas neste formulário e sobre outras informações correlacionadas que podem ser de seu interesse. Você pode cancelar o envio da divulgação, a qualquer momento, utilizando o opt-out existente nas mensagens encaminhadas por nós. Para maiores informações, acesse nossos avisos de privacidade.

| AVISO DE COOKIES

Usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para auxiliar na navegação, aprimorar a experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo do seu interesse. Para mais informações consulte nosso Aviso Externo de Privacidade.