Um dos maiores problemas dos estudantes, sejam eles iniciantes ou não, é estudar por um longo período e não conseguir registrar o conteúdo na mente. Isso ocorre porque não é o tempo de estudo que faz com que uma pessoa passe em uma prova, mas sim a qualidade do seu estudo.

Sabemos que o momento de preparação para o exame da OAB é um período de muita tensão, por isso é fundamental utilizar técnicas de estudo que auxiliam na fixação da matéria. Afinal, é preferível que você estude uma hora por dia de forma eficaz do que estudar o dia inteiro sem conseguir absorver o conteúdo.

Se você deseja conhecer mais sobre o assunto, acompanhe o artigo e aprenda algumas técnicas de estudos que podem ajudar você durante a preparação para a OAB e outras provas. Confira!

1. Interrogação elaborativa

Na técnica de interrogação elaborativa, enquanto estuda, o estudante deve se perguntar “porque” em vez de concentrar-se na pergunta “o que”. Dessa maneira, o método consiste em duvidar de tudo que se lê, criando explicações para justificar porque os fatos que aparecem durante os estudos são verdadeiros e refletindo a respeito de cada informação.

Ao estudar sobre a dignidade da pessoa humana, por exemplo, o estudante deve questionar-se porque o Brasil a adota como fundamento da República e procurar uma resposta para essa questão.

Esse método costuma ser eficaz, pois requer um esforço maior do cérebro, uma vez que é preciso se concentrar em compreender as causas dos fatos e investigar as suas origens em vez de apenas ler o conteúdo.

Ao duvidar, responder e resumir conteúdos, o estudante estabelece a autoexplicação, processo que é uma ferramenta útil para, de fato, absorver o conhecimento.

Além disso, no que diz respeito especificamente ao exame da OAB, estudar utilizando a técnica elaborativa cria uma bagagem de estudos ainda maior, que é um diferencial e auxilia o aluno nas questões discursivas que fazem parte da prova na segunda fase do exame.

2. Prática distribuída

A técnica da prática distribuída baseia-se em repartir o aprendizado ao longo do tempo em vez de concentrar todo o estudo em um único período, ou seja, esse método faz com que o aluno não deixe para estudar todo o conteúdo na semana da prova.

A técnica se mostra eficaz, pois pesquisas indicam que se você quer lembrar de determinado ponto da matéria por cinco anos, é preciso espaçar seu aprendizado deste tema a cada seis meses. Isso ocorre porque, de acordo com o método, o tempo ideal de distribuição das sessões de estudo é de 10% a 20% do período que o conteúdo precisa ser lembrado.

A prática distribuída ainda pode ser aplicada para disposição do estudo em diversos períodos ao longo do dia, intercalando momentos de descanso.

3. Técnica Pomodoro

A técnica Pomodoro é um método que tem como base a combinação de trabalho e descanso, definindo que períodos de esforço devem ser recompensados com momentos de distração.

O cérebro precisa da folga para poder assimilar todo o conteúdo. Por essa razão, o italiano Francesco Cirillo — inventor da técnica — constatou que realizar pausas programadas é muito importante.

Todos sabem que é inevitável se cansar após um longo período de estudo. Assim, para evitar que esse momento de esgotamento mental ocorra, o correto é fazer pequenas pausas após períodos de aprendizagem extensos.

Dessa maneira, a técnica Pomodoro consiste em alternar momentos de estudos ininterruptos por 25 minutos com descansos de 5 minutos, refazendo o processo posteriormente. Depois de 2 horas de estudo, o aluno deve realizar uma pausa de 30 minutos.

Os descansos servem para o corpo como uma gratificação pelo longo ciclo de trabalho e aumentam a produtividade e a concentração.

No entanto, é válido ressaltar que a técnica deve ser adequada ao perfil do aluno, ou seja, é possível aumentar ou diminuir os momentos de estudo e descanso, uma vez que cada cérebro tem uma forma de funcionamento diferente.

4. Mapas mentais

Cada pessoa se adapta melhor a uma das diversas técnicas de estudo existentes. Para quem tem uma mente mais visual, os mapas mentais são ideais justamente por conterem imagens, setas e cores que ajudam na memorização.

A técnica, que foi formalizada pelo escritor inglês Tony Buzan na década de 1970, consiste em organizar os conteúdos em diagramas que costumam ter um assunto principal.

Em seguida, o tema central deve ser conectado a tópicos paralelos que se relacionam com a matéria. Essa relação pode ser feita por meio de balões ou desenhos que remetem aos assuntos estudados.

Com o mapa pronto, fica mais fácil revisar e visualizar o conteúdo, sendo possível rever o material perto da data da prova e recordar rapidamente da conexão entre os assuntos.

5. Teste prático

Realizar testes práticos da matéria que está sendo estudada é uma das melhores formas de aprendizagem. Uma pesquisa científica mostrou que realizar este método é até duas vezes mais eficaz do que outras técnicas.

Os testes práticos, que se assemelham aos simulados, devem ter como base as dúvidas individuais do aluno a respeito de cada matéria.

Para a técnica dar certo, o correto é criar e resolver blocos de questões sobre temas que deixaram dúvidas durante a leitura da matéria. Para responder de forma conclusiva cada pergunta, é ideal realizar a busca em diversas fontes até que uma resposta satisfatória seja encontrada.

A eficácia do método está justamente na economia do tempo, uma vez que ele age diretamente nas áreas em que o aluno tem mais dificuldade para aprender. Além disso, no caso específico do exame da OAB, ainda é possível realizar diversos exercícios de provas anteriores.

Viu só como existem diversas técnicas de estudo que podem ajudá-lo durante o preparo para o exame da OAB e em toda a sua vida acadêmica? Se você quer aumentar a sua produtividade, siga as nossas dicas para ter um rendimento ainda maior e obter a sonhada aprovação!

Gostou das nossas dicas e quer receber mais orientações como as que você conheceu neste artigo? Curta a nossa página no Facebook e acompanhe as nossas atualizações!